Esse fim de semana fomos ao coquetel e ao 1º workshop de imersão do Projeto Conexões, para o qual nós fomos sorteados.

Para quem não conhece, o Conexões, é um projeto que incentiva o teatro feito por jovens e para jovens como ferramenta para a formação humana e cultural, fomentando, por intermédio do trabalho em equipe, a criação de espaços para a reflexão e expressão das questões presentes no jovem de hoje.
Eles trabalham por sorteio. Não estamos lá por sermos legais.
(HAHAHA)

Mas foi bem divertido. Nós já tínhamos participado do workshop para imersão de diretores, que tinha dado um tom diferente do que experimentamos esse final de semana.
Conhecemos bastante pessoas, outros grupos que também montarão o texto ‘Refugo’, de Abi Morgan (O texto que escolhemos montar) e comemos muitos grãos, patezinhos e tomamos suco. Isso no coquetel.

No workshop, fizemos uma aula com Max Key, do National Theatre de Londres. Pulamos, dançamos, cantamos e deitamos no chão. Foi divertido.
Lá, foi mais reservado para o pessoal que tinha escolhido o mesmo texto. Então ele separaram a gente pela cor da camisa (cada integrante do grupo ganhou uma camisa com a cor referente ao texto que escolheu. O Refugo foi verde)e fomos para o teatro do Colégio Sâo Luís. Conversamos com a tradutora do nosso texto, com alguns diretores que irão auxiliar a montagem dos espetáculos e discutimos um pouco o Refugo.

Nossas fotógrafas de plantão não estavam preparadas com suas câmeras de última geração, mas vamos roubar umas fotos do site do Conexões e logo postaremos aqui.

Tivemos que sair um pouco mais cedo, pois tínhamos apresentação as 14 hrs, mas antes disso, eu tive um tempinho para falar com o próprio Max.
Fomos eu e a Bia Barros. Eu fiquei tremendo na hora de falar com o cara. Não por que eu sou fã dele (na verdade eu acharia que ele é um amigo do meu pai, se eu visse ele na rua), mas por causa do domínio do inglês numa situação que poderia queimar o grupo.
Eu meio que ‘interrompi’ uma conversa que ele estava tendo com a Ligia Cortez, uma das diretoras que irão auxiliar as montagens. Mas ele foi super simpático e a Ligia participou da conversa também. Nós falamos para os dois sobre o Primavera e o Max disse que o Gabriel Carmona (O diretor que vai nos auxiliar) já tinha lhe dito sobre o Primavera.

Ele nos contou que vai para Paraty, Salvador, Recife e depois voltará para São Paulo. Disse que quando voltar, talvez dê uma passadinha. Eu brinquei dizendo que a peça é muito sensorial e a língua não será uma barreira e ele deu risada.

Gostei bastante desse fim de semana e espero que o Conexões seja prazeroso, seguido de um trabalho com verdade e competência.

Colocamos o pezinho na Inglaterra!
(Com o Conexões, é claro...)



Bruno Lourenço

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Verão de 2005.

Curtíssima temporada do espetáculo "O Girador" no Teatro Pequeno Ato

2014: um primeiro balanço e o nosso fim de ano