Manifesto do ‘Teatro de Casinha’

Manifesto do ‘Teatro de Casinha’

E o mundo – o tudo - é repleto de coisas maravilhosas: ares, amores, amoras, sabores, sangues, dores, prazeres, mortes, raivas, amargos, doces... Esse compreende tudo o que há para se descobrir, destrinchar e explorar qual um jardim de possibilidades infinitas ignoto à nossa consciência. Mas, ainda que cada ser humano, em sua dita peculiaridade, buscasse nesse tão imenso mundo absorver suas próprias descobertas, deparar-se-ia, em determinado momento, com o que nos é, por essência, comum. O ‘comum’ já “pejorativizado” – de aquilo que é medíocre - deve ser excluído de nossa mente. Refiro-me ao que nos liga quanto seres humanos: nossa carência pelo abraço, nosso abraço pelo carinho, nossa saudade da avenida da Saudade, nosso barranco de terra do qual despencaríamos não fosse a mão suja do primo mais velho... Tudo aquilo que nos acalanta e nos ‘nina’ – música sincera em ouvidos rendidos – remete, diretamente, à Casinha. Ela mora esquecida nos nossos sonhos. Mas, ‘volta e meia’ é n’Ela que nos refugiamos. É n’Ela que alçamos vôo pra Oz. O que, costumeiramente, chama-se de Deus, é preferível chamar de Casinha, pois é lá que se encontra a verdadeira comunhão dos homens, é lá que estamos nus e aquecidos.
O homem criou a filosofia, as religiões, o teatro, a literatura, a música, o vinho, a sopa, o Deus e a meia, com um único ideal: estar mais tempo dentro da Casinha.
E é buscando nessa concepção universal do que para os cristãos pode ser ‘caverna de adulão de Davi’, para os budistas a citação constante de um mantra em meditação, que surge a idéia de Teatro de Casinha - no qual se partilha a própria carne (física e psíquica) de quem está presente.
E a justificativa – sempre ela – para a reunião dessas palavras numa introdução de um post, é a relação quase que intuitiva do Pequeno Teatro de Torneado com esse comprometimento.
Patuléia, povo e gentio dentre os sensíveis de todo o mundo, abri vossas portas (àquela camada)!

Thiago França

por Pequeno Teatro de Torneado

Comentários

Bruno disse…
E é gostoso estar na casinha.
Procurá-la.
Vivê-la e não deixá-la.

Vamos descobrir nossa canção de ninar. :D
Mayra disse…
Que bonito...
Sábado, duas casinhas do Cenário do "Primavera"caíram... Alguém se lembra disso?

O meu avô já foi dono de muitas terras... Eles as perdeu para seus quinze filhos...

Postagens mais visitadas deste blog

Verão de 2005.

Curtíssima temporada do espetáculo "O Girador" no Teatro Pequeno Ato

2014: um primeiro balanço e o nosso fim de ano