domingo, 12 de outubro de 2008

Aqui.

Aqui.

Há tempos que comecei a estudar teatro com todo o vigor. Não sei, acho que a gente nunca aprende demais e eu precisava de alguma coisa mais direta pra entender o que eu não queria escutar. Um destes estudos era uma oficina de teatro pública que eu fazia em Guarulhos. Algo muito iniciante, com uma carga estranha e tudo muito empurrado, não sei, começávamos a fazer tudo de uma forma quadrada. O coordenador da oficina era um cara meio estranho, parecia meio cansado do teatro. Que estava fazendo aquilo simplesmente pelo dinheiro ou por algum outro motivo que eu desconhecia, porque ele nunca esteve com muita vontade de fazer teatro.

Então, infelizmente e felizmente, ele saiu e em seu lugar entrou uma mulher inteligente. Ela era inovadora, fazia tudo com muita vontade e organização... Conseguia manter um padrão de aula muito gostoso e incrível. Eu conversava com ela algumas vezes e ela demonstrou um grande prazer ao ouvir que eu fazia parte de um grupo de teatro. Um grande interesse. Estranho, mas um interesse.

Pois bem, o curso corria tranquilamente até que ela deixou escapar para os alunos a história do grupo de teatro. Bem, na verdade, eles não gostaram muito da notícia. Recebi um email de uma garota do curso estes dias, ela dizia que o pessoal se sentia um tanto quanto intimidado ou sendo julgados por mim. Não sei, só sei que desde que eles souberam disso passaram a me odiar profundamente. Faziam comentários maldosos sobre mim, tentavam me expôr, me agredir... Enfim, estes termos.

Diante tantos comentários, pareceu-me que a coordenadora também já estava começando a ficar um pouco inclinada para o lado deles. Ela realmente parecia achar que eu estava julgando os alunos, os observando e falando mal deles, o que era uma mentira sem limites. Eu estava super de boa, eu queria aprender e não ficar julgando as pessoas. Analisar se são boas ou não nunca foi a minha meta.

Depois de um certo tempo, essa coordenadora me expulsou do grupo da oficina. Disse com muita ironia que eu já havia aprendido demais, que isso era o bastante para eu levar pro grupo e que era isso que eu estava fazendo. Disse que eu estava prejudicando o aprendizado dos outros alunos, que prejudiquei as aulas dela e que os alunos não conseguiam mais ter a mesma desenvoltura que tinham quando não sabiam que eu pertencia ao Torneado. Enfim, fui expulso.

Precisei disto pra perceber onde é meu verdadeiro lugar pra aprender.

Renan de Almeida.

Nenhum comentário:

Sobre o sentir e o dançar de um corpo gordo

Sempre achei estranha a vontade que eu tinha de dançar. Durante muito tempo, meu corpo ficou inerte. Fugia das aulas de educação física, ...