quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

O NOSSO INFANTIL!

Olá Queridos! Este é um texto que foi escrito baseado em experiências que vivenciei com a Mayra em um Parquinho ao lado do Cemitério Cachoeirinha!


O NOSSO infantil!

Em uma balança de um parque, parque esse que oniricamente faz parte da vida de uma amiga, foi onde comecei a retornar aos acontecimentos da minha infância nesse lugar e a congregar essas preciosas e poderosas lembranças.

No começo foi um leve balançar, que foi se intensificando com o uso da minha força física e mental, lembranças foram me impulsionando a querer ir mais alto, logo, mais (pro)fundo, e o barulho constante pelo tempo de uso da balança foi me tomando, hoje com meu conhecimento alternativo (tipo, meu?!) posso afirmar se assemelhar a uma música da Bjork, e é impressionante como fazemos associações com o atual, no caso a música de Bjork se assemelha ao som da Balança, não é nem preciso divagar sobre que veio primeiro (ovo, galinha, ajudou?!), enfim, com o som fui entrando num transe, e com ele a companhia do medo da exibição, de escancarar o que estava lembrando, mas aos poucos a criança foi emergindo, não com toda sua potência, mas foi o bastante para que eu começasse a contar minhas experiências, sem muito as aumentar para ganhar a aprovação (um policiamento meu, para que eu não minta!), e mágico foi ver que minha amiga também estava na mesma atmosfera, iniciou-se ai uma congregação que a um tempo namorávamos, e que se depender da criança vai dar samba!

Fomos a Gangorra, um sobe e desce bem metafórico (hehe!) e de lá começamos uma conversa um tanto prática, sobre artefatos técnicos do que hoje nos cerca, o Teatro, Uma luz. Tobogã, escorregador, a quem vamos dirigir, dramaturgia, palco de madeira, pequenas apresentações, um processo nosso, Beatles, Arnaldo Antunes, Palavra Cantada. Tudo isso são prés, mas mutáveis e RITUALizados, senão seriam(ão) parativos ;).

5 comentários:

Mayra disse...

E vamos balançar muito.

doravante disse...

A brincadeira transcendeu o momento narrado e transpareceu no texto. A maneira que as palavras foram utilizadas foram ótimas...
gostei muito.

Núcleo de Direção disse...

Balança por nós!!

É preciso ouvir o outro... Para ser ouvido...

Garotas com atitude disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Larissa Costa disse...

esses momentos por si só são tão puros que não pedem complementos...

Sobre o sentir e o dançar de um corpo gordo

Sempre achei estranha a vontade que eu tinha de dançar. Durante muito tempo, meu corpo ficou inerte. Fugia das aulas de educação física, ...