quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Torneado e sua fada madrinha.

Há algum tempo eu tive um sonho.

Primeiramente, ele começava com a fada madrinha do Pinóquio. Ela simplesmente apareceu do nada e começou a falar: “A história que vou lhes contar veio dos tempos mais antigos e das terras mais distantes. A história que vou lhes contar se chama: Primavera.”
Aí começou.
Estávamos em cartaz com o Primavera no Pyndorama. Estávamos terminando... Era a última cena e as luzes já estavam se apagando. Enfim, apagou. Ela acendeu novamente e o William foi agradecer ao público e essas coisinhas. O público saiu e começamos a arrumar as coisas. E durante a desmontagem, o Fernando vira pra gente e fala: “Vamos assistir aquele Despertar da Primavera que está no Estúdio do Clã?” Todos concordamos, e assim que terminamos a desmontagem, corremos para o Clã. Chegando na bilheteria eles não nos deixam entrar. Diziam que o Torneado estava totalmente proibido de assistir esse Despertar. A gente achou estranho, né? Mas constatamos que devia ser de alguma pessoa que não gosta da gente, então, resolvemos ir embora. Mas antes, o Fê quis ir ao banheiro que era ao lado do Estúdio e de lá ele pôde ouvir o texto... Que era exatamente idêntico ao do Primavera!!! Ele saiu do banheiro muito bravo e venho contar pra gente. Todos ficaram irados, e estávamos prestes a tomar um partido quando a Bia Cavalcante disse: “Espera aí, gente... Vou resolver essas paradas!”
Passou pelos caras que não queriam nos deixar entrar, e chegou ao lugar... O cenário era exatamente o mesmo do Primavera, alguns atores eram até meio parecidos. Com exceção de alguns: o Morritz era um loirinho de olhos verdes e o Melchior um negro careca de uns dois metros.
A Bia chegou lá e começou a gritar, armar o maior barraco. E a gente só via pessoas saindo correndo de dentro do clã, e alguns atores sendo chutados pra fora. (sabe aquela cena de Um Maluco no Pedaço? Quando o tio Phil chuta o Jazz pra fora? Exatamente!)

Depois de alguns minutos, ela chama pela Bia Barros, que também entra. E depois de mais algum tempo, elas saem carregando todo o cenário e dizendo que a gente podia usar como reserva.

Aí, aparecia a fada madrinha de novo e dizia: “Não usem drogas, sejam felizes. FIM!”

Renan Almeida.

Um comentário:

mayramguanaes disse...

É o que digo para você Renan.
Por favor!
Pare de usar drogas! rs

Sobre o sentir e o dançar de um corpo gordo

Sempre achei estranha a vontade que eu tinha de dançar. Durante muito tempo, meu corpo ficou inerte. Fugia das aulas de educação física, ...