Torneado e sua fada madrinha.

Há algum tempo eu tive um sonho.

Primeiramente, ele começava com a fada madrinha do Pinóquio. Ela simplesmente apareceu do nada e começou a falar: “A história que vou lhes contar veio dos tempos mais antigos e das terras mais distantes. A história que vou lhes contar se chama: Primavera.”
Aí começou.
Estávamos em cartaz com o Primavera no Pyndorama. Estávamos terminando... Era a última cena e as luzes já estavam se apagando. Enfim, apagou. Ela acendeu novamente e o William foi agradecer ao público e essas coisinhas. O público saiu e começamos a arrumar as coisas. E durante a desmontagem, o Fernando vira pra gente e fala: “Vamos assistir aquele Despertar da Primavera que está no Estúdio do Clã?” Todos concordamos, e assim que terminamos a desmontagem, corremos para o Clã. Chegando na bilheteria eles não nos deixam entrar. Diziam que o Torneado estava totalmente proibido de assistir esse Despertar. A gente achou estranho, né? Mas constatamos que devia ser de alguma pessoa que não gosta da gente, então, resolvemos ir embora. Mas antes, o Fê quis ir ao banheiro que era ao lado do Estúdio e de lá ele pôde ouvir o texto... Que era exatamente idêntico ao do Primavera!!! Ele saiu do banheiro muito bravo e venho contar pra gente. Todos ficaram irados, e estávamos prestes a tomar um partido quando a Bia Cavalcante disse: “Espera aí, gente... Vou resolver essas paradas!”
Passou pelos caras que não queriam nos deixar entrar, e chegou ao lugar... O cenário era exatamente o mesmo do Primavera, alguns atores eram até meio parecidos. Com exceção de alguns: o Morritz era um loirinho de olhos verdes e o Melchior um negro careca de uns dois metros.
A Bia chegou lá e começou a gritar, armar o maior barraco. E a gente só via pessoas saindo correndo de dentro do clã, e alguns atores sendo chutados pra fora. (sabe aquela cena de Um Maluco no Pedaço? Quando o tio Phil chuta o Jazz pra fora? Exatamente!)

Depois de alguns minutos, ela chama pela Bia Barros, que também entra. E depois de mais algum tempo, elas saem carregando todo o cenário e dizendo que a gente podia usar como reserva.

Aí, aparecia a fada madrinha de novo e dizia: “Não usem drogas, sejam felizes. FIM!”

Renan Almeida.

Comentários

mayramguanaes disse…
É o que digo para você Renan.
Por favor!
Pare de usar drogas! rs

Postagens mais visitadas deste blog

Verão de 2005.

Curtíssima temporada do espetáculo "O Girador" no Teatro Pequeno Ato

2014: um primeiro balanço e o nosso fim de ano