Vestibular.
Desço a rua para ir à casa do meu vizinho pegar os livros dele para estudar.
Ele passou na USP..
Eu preciso passar, eu quero passar.
Só que na UNESP.
Desço, desço, desço a rua correndo.
Chego lá, ele não tem como sair de casa.
Eu grito.
"IAN! JOGA OS LIVROS PELA JANELA!"
E então ele joga.

Os livros caem, um por um, eu vou pegando, e colocando eles no chão.
As pessoas na rua param, olham todos aqueles livros sendo jogados, de mão em mão, enquanto eu desejava que eles caíssem com todo o seu conteúdo em minha cabeça, direto em minha cabeça: ou para me matar e acabar logo com isso ou para eles se introduzirem de modo mais fácil, prático e rápido dentro de mim.
O Ian termina de jogar, e eu grito:
"Só vindo uma ajuda do céu para eu passar nisso!"

Um livro nunca pensou em voar, um livro nunca teve a ambição de voar. Mas eu, eu nunca quis tanto ser um livro como hoje de tarde. Eu nunca quis tanto saber tudo o que ele sabe e ser jogado no ar, flutuar em míseros segundos e depois relembrar da lei da gravidade e, cair. Que o oxigênio invadisse entre as minhas folhas, com liberdade total para circular dentro de mim, com total intimidade para tudo. Eu sinto tudo, sinto o ar, a força que me move, o meu corpo se queixando do frio da ventania que eu provoquei.

Corre, corre!
Desce a rua correndo, da um pulo e.. De repente. De repente o que era grande vira pequeno, e o que era pequeno vira nada. De repente você mergulha em um oceano onde só existe você e nuvens para flutuar.
Eu já estou lá em cima, e ver que liberdade é uma das palavras mais clichês do universo quando você sente que, abrir os braços não é o suficiente para se expandir o quanto você quer. Eu me sinto limitada por ser um ser humano. Eu vivo buscando o vôo, a minha expansão, até a hora que eu apagar, sumir do céu, do universo, cair.

Cair sem fim, cair dentro de um buraco negro pra não ouvir meu corpo se estatelando no chão e meu cérebro apagando. Mas aí eu penso, e desejo que o fim demorasse muito para chegar, pois ultimamente... Eu tenho tanto medo dele.
Eu tenho medo do que vai ser, a preparação me deixa nervosa, ansiosa. Eu penso tanta coisa, eu sinto falta de tanta coisa. Sinto falta de voar por outros meios, de voar com o torneado, de voar pra Recife.

A minha histeria é como um vício para mim, uma droga que se eu não consumi-la eu vou triturando a mim mesma bem devagar. Eu sinto a necessidade de gritar, para aliviar tudo isso.



Prazer, este é o meu grito.

Beatriz Barros

Comentários

Renan... disse…
Que belo texto. Incrível, Bia.
Parece que uma trama se repete...

"Primavera", ainda faz sentido....

Postagens mais visitadas deste blog

Verão de 2005.

Curtíssima temporada do espetáculo "O Girador" no Teatro Pequeno Ato

2014: um primeiro balanço e o nosso fim de ano