sexta-feira, 6 de março de 2009

Das últimas sensações...

Estou procurando a minha existência. Já perdi as contas de quantas vezes já respondi a pergunta: "por que estou aqui?" nas entrevistas dos cursos/núcleos que eu quero fazer. Eu tenho dificuldade para organizar meu fluxo de idéias quando estou falando em público e nesses momentos essas características ficam ainda mais gritantes quando vejo tantas outras pessoas com as mesmas necessidades, fome de arte, assim como eu. O problema nem são as entrevistas em si, mas sim a quantidade de pessoas que estão no mesmo lugar que eu, mesmo que não seja com os mesmos objetivos. O teatro é um mundo pequeno que nos possibilita o encontro, e esse encontro se torna corriqueiro quando buscamos uma arte bacana. Me deixa muito feliz saber que artistas na qual eu admiro o trabalho tem seu trabalho admirado por tantas outras pessoas. Mas fico muito chateada perceber que a demanda de cultura no país é pequena. Estou em São Paulo, que é o maior pico cultural do Brasil, e quando vou fazer entrevista tem gente do país inteiro querendo uma chance também. E não temos vagas para todo mundo, infelizmente. O dinheiro investido em cultura não consegue cobrir os artistas de São Paulo, muito menos os que vem de fora. Mas que bom que esses artistas de fora estão aqui também. O teatro faz o encontro. E mesmo com essa falta de espaço, essa falta de investimento, nós conseguimos nos agregar. Nós vamos fazer desse encontro, um encontro feliz. Muito feliz.

Mayra

2 comentários:

Cult Cultura disse...

Oi, pessoal!
fiz uma divulgación pra vcs: http://cultcultura.blogspot.com/2009/03/teatro-jovem-refugo.html

Beijão e sucesso!

Anônimo disse...

Lindos...!
Merda sempre!

http://www.guiadasemana.com.br/Sao_Paulo/Artes_e_Teatro/Evento/Refugo.aspx?id=49052

Inara

Sobre o sentir e o dançar de um corpo gordo

Sempre achei estranha a vontade que eu tinha de dançar. Durante muito tempo, meu corpo ficou inerte. Fugia das aulas de educação física, ...