E nessa historia de dandandear no caminho dos que se diziam serem grandes, se foi perdido e esquecido, desaparecido, tomado o brincar.

Dessas folhas secas que brotaram do grande tronco, seco que agora está. Saíram sementes que poderiam ser replantadas, com ajuda, doações, adubos uma nova árvore poderia renascer, florescer.
Mas o vento soprou e levou as sementes, o adubo e as possíveis mãos que o moveriam isso tudo.
Agora, sem nada, nem por fora nem por dentro espero um dia que o vento* bata e faça o movimento de derrubada, levando tudo ao pó. Pra que toda essa secura, ao menos seja valida, sirva de adubo a quem não pode lhe servir.

... do percurso das coisas. Cada qual, deverá desejar serem árvores ou folhas ou flores ou sementes. Que se assim quiser seja essa metamorfose, nesse caminho que se pode escolher qual jardim pousar.

*(Não se esqueça de desejar, e se mexer muito pra que esse vento lhe note)
...
Divagações, piradas (talvez?) Éride Sousa

Comentários

O tronco é forte...

E o vento arrebenta os nossos desejos...
Rafaela Rocha disse…
Espero que esta semente já não esteja seca de tanto esforço que pode ter feito ao não querer brotar!
Que ela dê sim frutos e que alguem deguste deles como essa semente degustou de frutos de outros para aprender a voar.

Postagens mais visitadas deste blog

Verão de 2005.

Curtíssima temporada do espetáculo "O Girador" no Teatro Pequeno Ato

2014: um primeiro balanço e o nosso fim de ano