É que hoje eu me senti guerreiro... Foi um lapso de amor despejado sobre mim. Toda desconfiança virou tesão. Toda raiva virou tesão. Toda reclamação explodia num desejo de sexo. Alguém me cobrou um olhar mais ereto. Meu quintal esconde um muro e atrás dele lembrei-me dos melosos melos e melados que podemos criar. Ah! Meu Deus! Onde estava esse desejo ?! Ainda não cobri um corpo de doces molhados. Ainda não fugi de mim. Mas, eu quero! E quero! E quero! Não permitrirei jamais me privar de um olhar. De um olhar nasce a dificuldade de se arrancar uma calça. E toda vez que um corpo me chamar, eu... É porque senti que quando estamos lá... Nus, suados e entregues, tudo é bem mais simples e amargo.

Voltei dez anos - lancei-te a dez anos. Acredito em cada sonho que você narrar.
Diga, diga sussurango... Sou todo ouvidos. Sou todo seu.


Comentários

Aurea Karpor disse…
Estou muito feliz em poder ajudar vocês de alguma forma!!! Beijão!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Verão de 2005.

Curtíssima temporada do espetáculo "O Girador" no Teatro Pequeno Ato

2014: um primeiro balanço e o nosso fim de ano