sábado, 30 de maio de 2009

"Bru! Vou dar uma palestra na ETEC de Itaquera. Quer ir comigo pra falar alguma coisa?"

Foi assim que começou.
Fiquei feliz ao saber que o Will ia lá na ETEC de Itaquera (um Paula Souza que abriu há pouco mais de um ano), e que ficava pertíssimo ao local aonde eu morava (e onde ainda mora minha família). Combinamos de nos encontrar, eu e o William, para que pudéssemos elaborar uma fala para mim. Algum discurso, comentário... Enfim, algo que falasse para os alunos algo sobre como um jovem da periferia precisa se deslocar e se multiplicar para poder lidar com arte.
Não conseguimos nos encontrar e acabamos por achar que eu não ia ao encontro. Mas esbocei um texto, e fomos à ETEC.

Eu, William e a Éride.

Acordei 5:30 (devia ter dormido por lá)
Cheguei às 7:00 na casa do Will
Saímos às 8:00
Chegamos às 9:45 na ETEC

Os alunos iam apresentar 2 exercícios. Um de cada 2º ano.
O primeiro seria uma releitura de 'Romeu e Julieta' (Juleu e Rulieta)
O segundo, um exercício que usava os mesmo recursos do espetáculo 'Improvável' da Cia Improváveis (No Improviso)

Os dois exercícios foram incríveis!
A galera mostrava um instinto aguçado para um movimento crítico no fazer teatral que foi muito bacana. No Romeu e Julieta, uma direção exemplar para qualquer grupo de teatro colaborativo - direção COLETIVA - e um trabalho de ator que nos impressionou no exercício do improviso. Até fomos convidados para participar - e eu fui humilhado no 'Só Perguntas', diga-se de passagem.
Depois íamos começar a "palestra". Falar sobre o que vimos e ouvir bastante, mas foi complicado no começo. Por conta da quantidade de pessoas, do barulho constante, da ameaça de apanhar... Brincadeirinha.

Mas depois de um tempo, fomos conquistando um estado de conforto entre todos nós que permitiu que a conversa fosse muito bacana. Dos 80 jovens que começaram, terminamos com aproximadamente 30, pois uma galera precisava ir para o curso técnico. Alguns até faltaram no curso para continuar lá com a gente, mas não fomos nós que mandamos eles faltarem... HUAUHAUHAHU - risada adolescente.
Falamos sobre arte-educação, a re-evolução educacional, sobre histeria, teatro, Torneado... O que nos cerca. A nós e a eles. Que agora também já são nós.
Mostramos fotos dos espetáculos do grupo. Só esquecemos de falar do Cramância, mas isso pode ser na próxima conversa - que vai existir de alguma forma.
A conversa, que a principio duraria cerca de 1 hora, extendeu-se para o tempo de quase 3 horas e meia. Essa coisa do tempo nos persegue...

Terminamos com uma partilha com o jarro de agua que fez parte da trilha sonora da conversa, já que toda vez o Will chutava ou esbarrava nele durante. A água foi o elemento mais perfeito para expressar tudo o que acontecia naquele momento/encontro.
Após muitas lágrimas, abraços, beijos, trocas de e-mails/orkuts e etcs, encerramos o nosso encontro.

Foi lindo conhecer aquele espaço. Uma galera incrível, uma administração que nos recebeu muito bem.
A vontade que eu tinha era de ficar ali cada vez mais... e mais... e mais... e mais...

E para finalizar esse post, coloco aqui o texto de um dos alunos da ETEC. Ele nos leu esse texto em roda, na hora da nossa despedida.


É como uma droga.
É como se fosse uma droga
Que você para.
Inspira, respira fundo,
Repete... Espera... Pensa.
E inspira de novo.
É a única droga que não mata mas é fatal
Que ilude mas não é real
Que te deixa mais pra bem do que pra mal
Que te leva de Marte a Jupiter
Que te leva de Saturno a Plutão
Que te revela o que é o "ser ou não ser"
Em uma constelação estrelada de emoção.
Que ao mesmo tempo te energiza e te consome
As vezes aparece e as vezes some, sem nem dizer seu nome
...
Eu posso morrer em minutos, mas em segundos eu luto para que não me parem essa alucinação
A única droga que ao invés de neurônios afeta o coração
É preciso inventar a sua droga



Poema de Rodrigo dos Santos Espíndola - 15 anos
Postado por Bruno Lourenço

5 comentários:

Thais Teles - ETEC de Itaquera disse...

Posso dizer que esse foi um dos melhores dias da minha vida. A visita de vocês foi importantissima para as 20 pessoas que ficaram alí ouvindo tudo que tinham pra dizer, se identicando e não se identificando também, mas... com toda certeza eu digo que tudo que ouvimos alí ficará na mente pra vida toda.
Muito Obrigada William, Bruno e Éride.
Um grande beijo.

Rodrigo dos Santos Espíndola disse...

Uma Palavra que defina este encontro..."INESQUECÍVEL"...
Após algumas ameaças a conversa fluiu maravilhosamente bem...AhuahuahUhahU(risos), Oque estava programado para terminar no horário de aula do ensino médio (Até o Meio dia) se estendeu para até depois do intervalo do ensino técnico (Três horas e meia)...
A visita de vocês nos deu energia para continuar a criar, atuar e escrever... Foi uma troca de energias maravilhosa... Houveram sim divergencia de idéias, porém divergencias necessárias que deixaram cada vez mais interessante nossa conversa...
Agradeço do fundo do meu coração a sinceridade nas palavras (até na hora de "descer o pal" no trabalho apresentado) Apesar de não ter tido tempo o sufisciente para apresentar devidamente o trabalho "No Improviso" acredito que tenha tido base para constituir uma idéia do potencial do grupo...
Sem Mais delongas...
Agradeço por terem escutado algumas palavras de minha autoria... e agradeço mais ainda por terem Postado as mesmas neste blog...



Rodrigo dos Santos Espíndola

Rafaela Rocha disse...

Táqueupariu! Que delícia entender o significado de TODOOOO MUNDDDOOOOO! =)
Minha droga são pessoas.

Rodrigo de Araújo Silva disse...

Refugo é muito bom o/
KOOOOOOOOOOOOOOOJOOOOOOOOOOOOOOO!
chocante, valeu os suados R$10 :p
parabéns ao pequeno teatro de torneado o/

Mayara disse...

Nossa o encontro me marcou demais, inclusive fui um das que mais chorei porque me tocou profundamente cada palavra , é como se eu soubesse exatamente o que desejo porém não tenho coragem de correr tantos riscos em nome da minha felicidade e isso me aflige muito.
O RoooH , que escreveu esse poema é um cara incrivel que me ama muito e esse sentimento é reciproco, queria muito que ele fosse unico na minha vida , mas nela já existe outro alguém. Ontem o RooH me perguntou qual era minha droga, e eu tive medo de responder(história longa).. eu já sei a resposta é você Rodrigo *-*

Beijos a todos ;)

Sobre o sentir e o dançar de um corpo gordo

Sempre achei estranha a vontade que eu tinha de dançar. Durante muito tempo, meu corpo ficou inerte. Fugia das aulas de educação física, ...