Como falar sobre o amor?

Já tentei desenhos, textos, músicas. Já, até, tentei vive-lo e já tentei sonha-lo. Hoje eu busco uma outra forma de amar, que ainda não consigo lidar. Acho que desaprendi. Ou tentei esquecer.

O homem não é humano quando tenta ser completo. E a completude do homem vem com a sua “incompletude”, ou seja, o homem completo é aquele que se deixa ser incompleto. Então, o coração do homem incompleto sempre pede algo para se completar do que perdeu, para continuar incompleto.

E como fazer quando coração só se lembra de completar, e não de perder?

Pergunto isso, não como uma retórica, mas como uma forma de ficar mais tranqüilo com a resposta.

Descobrir-se um ser pensante – por mais ingênuo que seja – nos limita a muitos movimentos sentimentais. É que eu desaprendi. Desaprendi a tentar um movimento primitivo-amoroso com as pessoas. E esse coração tentativo, tenta encontrar uma nova forma delicada de lidar com o amor. Uma forma que não machuque na primeira tentativa, que pareça brincadeira de verdade e que, um pouco, massageie o nosso ego. Mas quando derrubado o muro, a tendência é de que a planta morra.

O amor se desacredita de si próprio, e a idealização de ideal passa a se tornar uma mera suposição. Daí se converge num movimento de amor às inversas. Apoiamos quem amamos, por que isso é só uma forma de nos amar também. Mesmo que doa, que toque o ciúme e que a tristeza assole ou que a solidão devore...

E a sensação de “ser pensante” dá um tediosa e odiosa sensação de ser um ‘porto seguro’.

“Estou aqui para quando a diversão acabar, o amor nascer e a vontade de construir uma casa aparecer”.

E isso machuca.

Eu só queria viver – ou tentar viver – uma tentativa de felicidade de constante. E não ensaiar para ela com as minhas travas e as travas que põem em mim.

Joyce - Juliana - Naiade - Bruna - Beatriz

De câncer, indo pra áries, passando por capricórnio e desembocando em aquário.

Bruno Lourenço – Um pouco constrangido

Comentários

Passar por esse poste é se envergonhar de si também e cair na tentação de dizer nomes...

Bru, sabe aquele movimento de se matar pra dentro?

Porque se o ser humano é mesmo um abismo, desejo que todos os amores ainda caiam sobre nós.

Meu ego e minha vaidade por ti querido.

William Costa Lima( Réu Confesso).
Você é lindo.
com todo amor. e todar dor que esse amor trás pra ti.

beatriz barros

Postagens mais visitadas deste blog

Verão de 2005.

Curtíssima temporada do espetáculo "O Girador" no Teatro Pequeno Ato

2014: um primeiro balanço e o nosso fim de ano