Conversa minha...

1: Onde você ta?
2: To sentado. Na porta de uma igreja.
1: Fazendo o que?
2: Sei lá... Pensando. Vendo.
1: Vendo o quê?
2: To vendo pessoas. Semáforos. Cores... Um carro de polícia passou na minha frente e os policiais nem me viram.
1: Não ficou com medo?
2: Não. Senti vontade de fazer xixi na porta da igreja.
1: Pra quê?
2: Sei lá... Pra ter alguém pra conversar.
1: Pra conversar com Deus?
2: Não. Com os policiais.
1: Você está conversando comigo.
2: E você não está aqui.
1: Quer que eu vá até aí?
2: Não. Já vou sair. Só vim aqui pra pensar.
1: E daí você vai pra onde?
2: Tem uma placa indicando o caminho...
1: De transito?
2: Da igreja.
1: Deu pra falar com Deus, é?
2: As vezes eu tento.
1: E o que acontece?
2: Bato com a cara na porta.
1: Me diz onde você tá. O que você vê daí?
2: Três homens vermelhos. Um sol verde. Uma constelação ao meu lado. Tem um Cometa passando. Uma cegonha também.
1: Você ta bem?
2: To na frente de Deus. Isso é bom?
1: Isso é uma tentativa de ser poético.
2: Isso é bom?
1: É uma tentativa...
2: To com frio. To com muito frio na mão e nos pés.
1: Pede pra entrar. Geralmente os padres abrigam quem tem frio.
2: To com vergonha. É madrugada de feriado. Deus também descansa.
1: É feriado de quê?
2: Não sei... Saí da escola faz pouco tempo, mas não lembro. To vendo um homem encapuzado.
1: Ladrão?
2: Não. Parece que ta perdido. Ta numa capa de chuva.
1: Ta chovendo aí?
2: Choveu agora pouco.
1: E o homem? Já foi?
2: Ta vindo.
1: Vai embora.
2: Não dá mais tempo. (Para o homem.) Oi. Não tenho. Boa noite.
1: Cigarro?
2: Não. Horas. To na frente da igreja, lembra?
1: É bonita essa igreja?
2: É, mas todo mundo esqueceu dela. Achei por acaso... Querendo um lugar pra sentar.
1: Banco?
2: Não. Qualquer lugar seco.
1: Não tem ninguém te esperando?
2: Tem. To preocupado.
1: Vai pra lá!
2: Preciso terminar uma coisa...
1: To te atrapalhando?
2: É que eu não sou muito bom em ser direto.
1: As vezes é ruim ser direto
2: E nessas eu deixo as pessoas esperando.
1: Entra! Ou vai embora!
2: Não posso só ficar?
1: E deixar os dois lados esperando?
2: E a minha espera?
1: Você faz esperar.
2: Eu também quero esperar. Quero me esperar. Mas parece que eu não chego nunca.
1: E é bom?
2: To com um pouco de medo, mas nada de mais. Coisa normal. De me assaltarem. De não me esperarem, sabe? Tem uns rostos estranhos me olhando aqui
1: Sai logo!
2: Mas eu não quero. To curioso. Preciso terminar.
1: E falta o quê?
2: Falar sobre amor.
1: É difícil...
2: Então eu espero mais um pouco...

Bruno Lourenço

Comentários

Anônimo disse…
que coisa mais linda.muito, muito mesmo.

inara
Francesco Zappa disse…
diálogojizou incrivelmente!
juro que perdi até a vontade de ir no banheiro por querer continuar lendo!
Foi interesse osmótico rapais!

Postagens mais visitadas deste blog

Verão de 2005.

Curtíssima temporada do espetáculo "O Girador" no Teatro Pequeno Ato

2014: um primeiro balanço e o nosso fim de ano