terça-feira, 4 de agosto de 2009

Mulheres Mangas

E o coração saiu pela boca. Esperei, esperei, esperei... pra isso. Ver parte de mim dividir-se, ver o fruto cair da árvore maduro, pronto para apodrecer.
E as leis da natureza fizeram com que minhas mãos ternas de amor colhesse o fruto que caiu de minha árvore, como roubar manga com os moleques no quintal, como se já tivesse passado por aquilo antes, só que agora de uma maneira inversa.
Minha avó compra manga só pra deixar o cheiro na cozinha.
Talvez minhas mãos estivessem ternas de amor próprio que apodreceriam lentamente o fruto que se soltou de mim, amor demais, amor cego, amor doido, amor de árvore, amor de mãe.
Se precisar, corra de minhas mãos e faça-se alimento para quem precisa do amor que quase te apodreceu.
Ou espere virar lixo pra ter a chance de renascer, mesmo que sem querer.

por Rafaela Rocha

Um comentário:

Marina disse...

Oi gira-gira meu amor
Oi gira-gira por favor...

Sobre o sentir e o dançar de um corpo gordo

Sempre achei estranha a vontade que eu tinha de dançar. Durante muito tempo, meu corpo ficou inerte. Fugia das aulas de educação física, ...