O meu amor morreu em um texto sem título.

Não tive tempo de cultivar os meus sonhos, por que eles foram - rapido demais - se tornando em realidade. Minhas metas se tornaram possíveis, minhas vontades se tornaram costumes e eu comecei a criar situações imaginárias, metafóricas... para poder sobreviver. Meus amores só podem ser chamados de amores quando são impossíveis. Caso contrário, são mágoas alheias que acumulo no meu peito e me torno, cada vez mais, uma pedra ambulante.
As vezes me questiono sobre a minha incapacidade de me apaixonar, e cada vez descubro mais que sou uma pessoa que se apaixona loucamente de forma errada, e que isso me machuca ao ponto de eu conseguir machucar o outro para apartar a minha chaga.

Esses dias, pensei que houvesse me apaixonado novamente. Esses tipos de amores impossíveis que quando se tornam reais não podem perder o gosto da impossibilidade. Mas tudo se esvai no momento em que essa 'complexidade' é domada. E tudo parece plástico, sintético.
Vai-se embora o meu amor! E me deixa, mais uma vez, com um coração de pedra. Porque só assim, eu aprendo o que é sofrer para não temer a morte. Mas, talvez, eu caminhe cada vez mais para uma morte solitária. Talvez eu morra sorrindo, mas temeroso demais para deixar alguém me segurar e me beijar antes de morrer.

Vai-se embora meu amor sem ao menos eu tê-lo vivido! Sem ao menos eu escrever sobre o inicio desse sentimento, mesmo havendo um texto sobre seu fim.

Bruno Lourenço

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Verão de 2005.

Curtíssima temporada do espetáculo "O Girador" no Teatro Pequeno Ato

2014: um primeiro balanço e o nosso fim de ano