A onda é não se sentir culpado quando expor as suas fragilidades.
Mesmo que você fale sem sentir ou sem pensar aquilo saiu pra você se estabilizar.

A onda é lutar contra a corrente e saber que isso é natural.

Nós nos cobramos para nos conhecer e, a partir daí, para conhecer o próximo que vai nos ajudar com as dores. Aliviando-as ou trazendo-as, mas ajudando.
É só uma forma de abraçar o mundo, por mais piegas que seja.

Do outro, só podemos esperar. E quando a espera vem em forma de projeção, de cobrança, a melhor maneira é desviá-la e pensar no agora. No que é efêmero.
(Mesmo que ele seja triste... Pelo menos pra mim)

Que Roberto Carlos diga o que não consegui dizer:

Eu quero apenas olhar os campos,
Eu quero apenas cantar meu canto,
Eu só não quero cantar sozinho,
Eu quero um coro de passarinho,
Quero levar o meu canto amigo,
A qualquer amigo que precisar.

(Refrão)
Eu quero ter um milhão de amigos
E bem mais forte poder cantar
Eu quero ter um milhão de amigos
E bem mais forte poder cantar

Eu quero apenas um vento forte,
Levar meu barco no rumo norte
E no caminho o que eu pescar
Quero dividir quando lá chegar
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar

(Refrão)

Eu quero crer na paz do futuro,
Eu quero ter um quintal sem muro
Quero meu filho pisando firme,
Cantando alto, sorrindo livre
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar

(Refrão)

Eu quero amor decidindo a vida,
Sentir a força da mão amiga
O meu irmão com sorriso aberto,
Se ele chorar quero estar por perto
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar

(Refrão)

Venha comigo olhar os campos,
Cante comigo também meu canto
Eu só não quero cantar sozinho,
Eu quero um coro de passarinhos
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar

Bruno Lourenço - Dividindo a angústia de não querer se sentir só

Comentários

Fernando Melo disse…
Que saudade! Cantei essa música na 5ª série com uma das professoras que mais marcou minha vida, ela toca(va) violão! hehehe!

Postagens mais visitadas deste blog

Verão de 2005.

Curtíssima temporada do espetáculo "O Girador" no Teatro Pequeno Ato

2014: um primeiro balanço e o nosso fim de ano