Cruzadas da Vida ou a Saga do Peter Pan

                O Torneado de certa forma sempre visitou a minha vida, ou vice versa, essa ordem do fator não é o que importa, pois o importante é estar num lugar que te faz bem ou se não o bem... Te faz simplesmente . Esse" fazer"  é um agir, estar, ser, observar, amar, criticar, gostar, aprender, ensinar, trocar,fazer. 
                O bom filho a casa torna, assim posso me sentir, mais uma vez. Sou aquela que gosta da casa, aquela que sente saudade, e volta e meia arruma as malas e retorna onde sabe que sempre tem as portas abertas, seja observando da janela de fora, ou seja, sentada com a família (que cada vez mais aumenta) no sofá. Sou aquela que teve a oportunidade de ver os primeiros tijolos a serem construídos, a que teve a oportunidade de mexer um pouquinho na massa e colocar o cimento, dar uma pincelada aqui, outro borrão lá e agora retorna pra ver outro cômodo sendo construído disso que já não é mais uma casebre, mas que se torna cada vez mais um grande sobrado e há de ser um castelo.
                Bem, poderia narrar aqui as histórias que vivi já com o grupo, mas não é o que tá querendo ressaltar nesse depoimento.
                O que sobressai aqui é um causo, que vou " adjetivá- lo" de coincidência.  Estava eu há algum tempo (não importa quanto) atuando em um espetáculo infantil que veste literalmente como pano de fundo o conto Peter Pan, não é preciso aprofundar em explicações uma vez que cuja história é conhecida se não por todos pelo menos pela maioria que lê esse post. Mas acontece que depois de muito (mas muito mesmo) representá-lo e acima de tudo e mais importante para mim, ter dividido o palco com muitos atores e em especial aqueles que são amigos, eu parei de fazer parte do elenco e esse conto, contado daquela maneira, com aquelas pessoas passou a simplesmente não existir mais, a não ser na lembrança, afinal é isso que resta das coisas finitas. Enfim acabou pra mim!!! Mas eis que na mesma época surge o convite do Torneado de trabalhar (a princípio) como preparadora corporal e agora também dividindo um dos personagens com uma das atrizes do grupo do espetáculo "Peter Em Fúria" que é uma releitura do conto conhecido e já trabalhado anteriormente por mim; Peter Pan. Claro nem cabe aqui comparação de dois trabalhos bem distintos que se coincidem apenas pelo que podemos chamar de "inspiração"... Enfim vão se os anéis e ficam os dedos... Ou talvez, um dia a gente perde no outro a gente ganha...enfim o adjetivo ou a moral da história disso tudo é o que menos importa. O importante pra mim é ter esvaziado a minha mala e trazê-la leve pra poder colocar tudo novo e bonito que couber dentro dela.


Karina Moraes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Verão de 2005.

Curtíssima temporada do espetáculo "O Girador" no Teatro Pequeno Ato

2014: um primeiro balanço e o nosso fim de ano