Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2017

A importância do teatro de ter um olhar histórico

Imagem
SOBRE CONTAR HISTÓRIAS E PERMANECER SENDO UM ARTISTA.Quando sofremos a imersão de um enredo nos vêm diversos sentimentos, diversas corresponsabilidades e diversas vontades de compreender o que precisa ser dito com clareza. Todo teatro tem história, tem veracidade e pulsa enredos reais de tempos vividos ou a serem vivenciados. Afinal cada época fala sobre suas inquietações e nenhum objeto tem significado sem que atribuíssemos significado a eles, o teatro é isso o reflexo do seu tempo que cria significações a cerca de objetos sendo eles o corpo a alma e a história. O teatro completa a história e a história se complementa através do teatro, o teatro é uma fonte documental riquíssima, muitas vezes documenta o frenesi dos corpos sociais. Em outras palavras o teatro é de todas as certezas espaço de reflexão do humano: lugar onde se manifesta o corpo, a cultura e a história da sociedade. O objeto da história, segundo Marc Bloch, são os homens em sua plenitude e relatividade. O teatro é produ…

“Do you believe in life after Torn?”

Imagem
Não sei contar ao certo quanto tempo venho sentindo isso. Esta data, do início até o presente momento, está diretamente ligada ao dia em que ingressei de fato no então GRUPO O Pequeno Teatro de Torneado, e é esse o período que não conto com exatidão, mas deve ter por volta de dois anos e alguns poucos meses. Tendo encontrado um tempo no espaço, sigo em meu depoimento.

Sempre tive contato e apreço pela música e as várias formas de musicalização possíveis dentro do meu universo: durante minha infância, minha mãe cantava para si, enquanto realizava seus afazeres domésticos um vasto repertório, que ia desde os maiores sucessos da Jovem Guarda e trechos de imortalizados sambas canções aos piores títulos do besteirol brasileiro da década de 80; num segundo momento tive contato com milhares de playbacks polifônicos das máquinas de karaokê do papai, onde pude brincar um pouco de reproduzir aquelas músicas que aprendi com a mamãe; por último ganhei um violão aos 15 anos (violão esse que nunca f…